Diários da ocupação

Sinopse

As ocupações afetaram a vida de milhares de estudantes secundaristas, pais e administradores públicos, e ajudaram a forjar uma nova consciência de luta entre jovens de todo o Brasil.

Dois anos atrás, na cidade de São Paulo, os secundaristas iniciavam um processo de ocupação das Escolas Estaduais que se alastraria Brasil afora. Em poucos meses, conseguiram reverter a reorganização escolar proposta pelo governador Geraldo Alckmin.

Além de trazer o debate sobre a educação pública para o centro da política brasileira naquele momento, reergueram um movimento de luta pela qualidade de ensino nas escolas, dessa vez a partir de demandas vindas dos próprios estudantes. Nesse processo, parece ter-se criado um novo sentido para o conceito de ativismo político entre jovens.

Da organização à persistência, da coragem à capacidade de viralização do movimento, da disponibilidade à perspicácia na elaboração de estratégias, jovens ainda em período escolar mostraram que existe sim uma escola de ativismo social dentro das próprias escolas públicas.

Conheça um pouco mais sobre estes eventos, sobre estes jovens e suas causas.

Para mudar é preciso participar, ouvir e conhecer. Se quiser saber mais sobre ativismo e movimentos sociais, confira nossa playlist aqui.

Siga a Retrato. Viva a diversidade.

O filme é uma co-produção entre a Retrato e a Muda Filmes e tem apoio do R.U.A – Foto Coletivo.

 Texto por Marco Guasti e Marcelo Téo. Foto por Jardiel Carvalho (R.U.A. – Foto Coletivo)
Sobre
Existimos para combater a invisibilidade social causada pelo desequilíbrio de histórias.

Deixe um comentário