Vozes do Case – ep2: Neylen Junckes

Sinopse

No mundo de concreto do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) da Grande Florianópolis, onde vivem adolescentes infratores, existe um grupo de servidores que resiste à cultura da violência imposta desde o antigo São Lucas, instituição que ocupava o mesmo local e foi interditada em 2010, sendo demolida na sequência.

A estrutura do Case é impressionante. Ela ocupa o mesmo espaço do antigo Centro Educacional São Lucas, que funcionou lá de 1972 a 2010 e chegou a ser apelidado de “masmorra” por um grupo de juízes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em visita ao local.

No Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) da Grande Florianópolis existe um grupo de servidores que resistem à cultura de violência imposta desde o antigo São Lucas, unidade que ocupava o mesmo local e foi interditado, em 2010 e demolido em 2011. Em um processo que teve a participação de parte destes técnicos comprometidos com os direitos e a proteção destes jovens, além da ação do Judiciário e do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Neste episódio de “Vozes do Case”, sobre casos de agressão e tortura a adolescentes no Centro de Atendimento Socioeducativo da Grande Florianópolis, apresentamos Neylen Junckes, assistente social e coordenadora técnica do Case da Grande Florianópolis e doutoranda pela UFSC. Ela compartilha seu conhecimento e experiência sobre adolescentes em conflito com a lei e fala sobre seu trabalho na Unidade.

Esta é uma série de vídeo-reportagens produzida numa parceria entre a Retrato, a Coruja Filmes e o Farol Reportagem. Se você quiser saber mais, confira as reportagens completas do Farol Reportagem aqui , com trechos de entrevistas em áudio, fotos e texto.

Siga a Retrato, viva a diversidade.

Sobre
Existimos para combater a invisibilidade social causada pelo desequilíbrio de histórias.

Deixe um comentário